quinta-feira, 8 de outubro de 2015

Me digam se o crime não compensa

Costa passa para semiaberto. Já pode “trabalhar” e até viajar para o exterior
O ex-diretor da estatal se comprometeu a pagar R$ 5 milhões em indenização cível por crimes contra a administração pública e entregou alguns bens à União, entre eles uma lancha avaliada em R$ 1,1 milhão, um terreno no município de Mangaratiba, no Rio de Janeiro (R$ 3,2 milhões), além de valores em dinheiro apreendidos em sua residência (R$ 762 mil, US$ 181 mil e € 10,9 mil)
08/10/2015

Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobras deixou de cumprir prisão domiciliar e progrediu para o regime semiaberto desde o último dia 01.10.2015
Costa envolveu toda a sua família no esquema de corrupção da Petrobras. Juntos, criaram 18 empresas para fazer negócios e dissimular os ganhos ilícitos. A família abriu ainda várias contas no exterior e 12 offshores. Apenas de duas contas, na Suíça e no Canadá, foram restituídos US$ 23 milhões
Costa permanecerá com tornozeleira eletrônica e deve se recolher em casa à noite e nos fins de semana. Já pode trabalhar e até mesmo viajar para o exterior, desde que autorizado pela Justiça. A tornozeleira, porém, só deve ser retirada quando ele progredir para o regime aberto, a partir de 1 de outubro de 2016.
Costa foi o primeiro dos acusados na Operação Lava-Jato a assinar acordo de delação premiada com a Justiça, em agosto de 2014. Poderá ser condenado a, no máximo, 20 anos de prisão pelo conjunto dos crimes que cometeu, que inclui lavagem de dinheiro da administração pública, peculato, formação de organização criminosa a obstrução de investigação. Qualquer que seja a pena, no entanto, o máximo que ele tem de cumprir são os dois anos em regime domiciliar semiaberto, que terminam no próximo ano.
Costa foi flagrado porque recebeu do doleiro Alberto Youssef, como parte de pagamento de propina, uma Range Rover Evoque, no valor de R$ 300 mil. O veículo também foi apreendido.
Fonte :(informações do Globo)

FICA A PERGUNTA  NO AR  : O crime compensa, no Brasil ????.

Durma-se com um barulho desses!

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

A EXECUTIVA BEM SUCEDIDA!!


A executiva bem-sucedida sentiu uma pontada no peito, vacilou, cambaleou. Deu um gemido e apagou. Quando voltou a abrir os olhos, viu-se diante de um imenso Portal.

Ainda meio zonza, atravessou-o e viu uma miríade de pessoas.Todas vestindo cândidos camisolões e caminhando despreocupadas. Sem entender bem o que estava acontecendo, a executiva bem-sucedida abordou um dos passantes:

- Enfermeiro, eu preciso voltar urgente para o meu escritório, porque tenho um meeting importantíssimo. Aliás, acho que fui trazida para cá por engano, porque meu convênio médico é classe A e isto aqui está me parecendo mais um pronto-socorro. Onde é que nós estamos?

- No céu.

- No céu?...

- É.

- Tipo assim... o céu, CÉU...! Aquele com querubins voando e coisas do gênero?

- Certamente. Aqui todos vivemos em estado de gozo permanente.

Apesar das óbvias evidências: nenhuma poluição, todo mundo sorrindo, ninguém usando telefone celular, a executiva bem-sucedida custou um pouco a admitir que havia mesmo apitado na curva.

Tentou então o plano B: convencer o interlocutor, por meio das infalíveis técnicas avançadas de negociação, de que aquela situação era inaceitável. Porque, ponderou, dali a uma semana iria receber o bônus anual, além de estar fortemente cotada para assumir a posição de presidente do conselho de administração da empresa.

E foi aí que o interlocutor sugeriu:

- Talvez seja melhor você conversar com Pedro, o síndico.

- É? E como é que eu marco uma audiência? Ele tem secretária?

- Não, não. Basta estalar os dedos e ele aparece.

- Assim? (...)

- Pois não?


A executiva bem-sucedida quase desaba da nuvem. À sua frente, imponente, segurando uma chave que mais parecia um martelo, estava o próprio Pedro.

Mas a executiva havia feito um curso intensivo de approach para situações inesperadas e reagiu rapidinho:

- Bom dia. Muito prazer. Belas sandálias. Eu sou uma executiva bem-sucedida e...

- Executiva... Que palavra estranha. De que século você veio?

- Do 21. O distinto vai me dizer que não conhece o termo 'executiva'?

- Já ouvi falar. Mas não é do meu tempo.

Foi então que a executiva bem-sucedida teve um insight. A máxima autoridade ali no paraíso aparentava ser um zero à esquerda em modernas técnicas de gestão empresarial. Logo, com seu brilhante currículo tecnocrático, a executiva poderia rapidamente assumir uma posição hierárquica, por assim dizer, celestial, ali na organização.

- Sabe, meu caro Pedro. Se você me permite, eu gostaria de lhe fazer uma proposta. Basta olhar para esse povo todo aí, só batendo papo e andando à toa, para perceber que aqui no Paraíso há enormes oportunidades para dar um upgrade na produtividade sistêmica.

- É mesmo?

- Pode acreditar, porque tenho PHD em reengenharia. Por exemplo, não vejo ninguém usando crachá. Como é que a gente sabe quem é quem aqui, e quem faz o quê?

- Ah, não sabemos.

- Entendeu o meu ponto? Sem controle, há dispersão. E dispersão gera desmotivação. Com o tempo isto aqui vai acabar virando uma anarquia. Mas nós dois podemos consertar tudo isso rapidinho, implementando um simples programa de targets individuais e avaliação de performance.

- Que interessante...

- É claro que, antes de tudo, precisaríamos de uma hierarquização e um organograma funcional, nada que dinâmicas de grupo e avaliações de perfis psicológicos não consigam resolver.

- !!!...???...!!!...???...!!!

- Aí, contrataríamos uma consultoria especializada para nos ajudar a definir as estratégias operacionais e estabeleceríamos algumas metas factíveis de leverage, maximizando, dessa forma, o retorno do investimento do Grande Acionista... Ele existe, certo?

- Sobre todas as coisas.

- Ótimo. O passo seguinte seria partir para um downsizing progressivo, encontrar sinergias high-tech, redigirmanuais de procedimento, definir o marketing mix e investir no desenvolvimento de produtos alternativos de alto valor agregado. O mercado telestérico, por exemplo, me parece extremamente atrativo.

- Incrível!

- É óbvio que, para conseguir tudo isso, nós dois teremos que nomear um board de altíssimo nível. Com um pacote de remuneração atraente, é claro. Coisa assim de salário de seis dígitos e todos os fringe benefits e mordomias de praxe. Porque, agora falando de colega para colega, tenho certeza de que você vai concordar comigo, Pedro. O desafio que temos pela frente vai resultar em um Turnaround radical.

- Impressionante!

- Isso significa que podemos partir para a implementação?

- Não. Significa que você terá um futuro brilhante... se for trabalhar com o nosso concorrente. Porque você acaba de descrever, exatamente, como funciona o Inferno...

Max Gehringer
(Revista Exame)


sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

VEJAM QUEM FORAM OS DEPUTADOS QUE LESARAM MAIS UMA VEZ O NOSSO PAÍS.

RECEBERAM 700 MIL REAIS CADA UM, PARA VOTAREM ESTA ABERRAÇÃO.

Depois de 17 horas exaustivas de muita discussão, o Congresso Nacional aprovou o projeto de lei do Executivo que altera a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e elimina a meta fiscal de 2014, o polêmico PLN nº 36/2014

PCdoB
Alice Portugal BA Sim
Assis Melo RS Sim
Chico Lopes CE Sim
Daniel Almeida BA Sim
Evandro Milhomen AP Sim
Gustavo Petta SP Sim
Jandira Feghali RJ Sim
Jô Moraes MG Sim
João Ananias CE Sim
Luciana Santos PE Sim
Manuela D`Ávila RS Sim
Osmar Júnior PI Sim
Perpétua Almeida AC Sim

PDT
André Figueiredo CE Sim
Damião Feliciano PB Sim
Félix Mendonça Júnior BA Sim
Flávia Morais GO Sim
Giovani Cherini RS Sim
Giovanni Queiroz PA Sim
Marcelo Matos RJ Sim
Marcos Rogério RO Sim
Oziel Oliveira BA Sim
Paulo Rubem Santiago PE Sim
Subtenente Gonzaga MG Sim
Sueli Vidigal ES Sim
Weverton Rocha MA Sim
Wolney Queiroz PE Sim

PMDB
Akira Otsubo MS Sim
Alberto Filho MA Sim
Alexandre Santos RJ Sim
André Zacharow PR Sim
Camilo Cola ES Sim
Carlos Bezerra MT Sim
Celso Maldaner SC Sim
Edinho Araújo SP Sim
Edio Lopes RR Sim
Eduardo Cunha RJ Sim
Fabio Reis SE Sim
Flaviano Melo AC Sim
Geraldo Resende MS Sim
Henrique Eduardo Alves RN Sim
Hermes Parcianello PR Sim
Hugo Motta PB Sim
João Magalhães MG Sim
José Priante PA Sim
Júnior Coimbra TO Sim
Leandro Vilela GO Sim
Leonardo Picciani RJ Sim
Leonardo Quintão MG Sim
Manoel Junior PB Sim
Marcelo Castro PI Sim
Marinha Raupp RO Sim
Mário Feitoza CE Sim
Osmar Serraglio PR Sim
Pedro Chaves GO Sim
Pedro Paulo RJ Sim
Professor Setimo MA Sim
Renan Filho AL Sim
Rogério Peninha Mendonça SC Sim
Ronaldo Benedet SC Sim
Rose de Freitas ES Sim
Saraiva Felipe MG Sim
Washington Reis RJ Sim

PP
Aguinaldo Ribeiro PB Sim
Aline Corrêa SP Sim
Arthur Lira AL Sim
Betinho Rosado RN Sim
Carlos Magno RO Sim
Eduardo da Fonte PE Sim
Iracema Portella PI Sim
João Leão BA Sim
Lázaro Botelho TO Sim
Luiz Fernando Faria MG Sim
Nelson Meurer PR Sim
Roberto Britto BA Sim
Sandes Júnior GO Sim
Simão Sessim RJ Sim
Vilalba PE Sim
Vilson Covatti RS Sim
Waldir Maranhão MA Sim

PR
Aelton Freitas MG Sim
Anderson Ferreira PE Sim
Bernardo Santana de Vasconcellos MG Sim
Davi Alves Silva Júnior MA Sim
Dr. Adilson Soares RJ Sim
Francisco Floriano RJ Sim
João Carlos Bacelar BA Sim
João Maia RN Sim
Jorginho Mello SC Sim
José Rocha BA Sim
Luciano Castro RR Sim
Lúcio Vale PA Sim
Manuel Rosa Neca RJ Sim
Maurício Quintella Lessa AL Sim
Milton Monti SP Sim
Paulo Feijó RJ Sim
Paulo Freire SP Sim
Vinicius Gurgel AP Sim
Wellington Fagundes MT Sim
Wellington Roberto PB Sim
Zoinho RJ Sim

PRB
Antonio Bulhões SP Sim
César Halum TO Sim
Cleber Verde MA Sim
George Hilton MG Sim
Jhonatan de Jesus RR Sim
Márcio Marinho BA Sim
Otoniel Lima SP Sim
Vitor Paulo RJ Sim

PROS
Antonio Balhmann CE Sim
Ariosto Holanda CE Sim
Domingos Neto CE Sim
Dr. Jorge Silva ES Sim
Dudimar Paxiuba PA Sim
Givaldo Carimbão AL Sim
Hugo Leal RJ Sim
José Augusto Maia PE Sim
Ronaldo Fonseca DF Sim
Valtenir Pereira MT Sim
Vicente Arruda CE Sim

PRP
Chico das Verduras RR Sim
Jânio Natal BA Sim

PSB
Glauber Braga RJ Sim

PSC
Andre Moura SE Sim
Antônia Lúcia AC Sim
Silvio Costa PE Sim

PSD
Átila Lins AM Sim
Diego Andrade MG Sim
Edson Pimenta BA Sim
Eduardo Sciarra PR Sim
Eliene Lima MT Sim
Fábio Faria RN Sim
Felipe Bornier RJ Sim
Guilherme Campos SP Sim
Hugo Napoleão PI Sim
Jefferson Campos SP Sim
José Carlos Araújo BA Sim
José Nunes BA Sim
Júlio Cesar PI Sim
Manoel Salviano CE Sim
Moreira Mendes RO Sim
Onofre Santo Agostini SC Sim
Paulo Magalhães BA Sim
Roberto Dorner MT Sim
Roberto Santiago SP Sim
Sérgio Brito BA Sim
Silas Câmara AM Sim

PSOL
Chico Alencar RJ Sim
Ivan Valente SP Sim

PT
Afonso Florence BA Sim
Alessandro Molon RJ Sim
Amauri Teixeira BA Sim
Anselmo de Jesus RO Sim
Assis Carvalho PI Sim
Assis do Couto PR Sim
Beto Faro PA Sim
Biffi MS Sim
Bohn Gass RS Sim
Dalva Figueiredo AP Sim
Décio Lima SC Sim
Devanir Ribeiro SP Sim
Dr. Rosinha PR Sim
Edson Santos RJ Sim
Erika Kokay DF Sim
Eudes Xavier CE Sim
Fátima Bezerra RN Sim
Fernando Ferro PE Sim
Francisco Chagas SP Sim
Francisco de Assis SC Sim
Francisco Praciano AM Sim
Gabriel Guimarães MG Sim
Helcio Silva SP Sim
Henrique Fontana RS Sim
Iara Bernardi SP Sim
Iriny Lopes ES Sim
Janete Rocha Pietá SP Sim
Jesus Rodrigues PI Sim
João Paulo Lima PE Sim
Jorge Bittar RJ Sim
José Airton CE Sim
José Guimarães CE Sim
José Mentor SP Sim
Leonardo Monteiro MG Sim
Luci Choinacki SC Sim
Luiz Alberto BA Sim
Luiz Couto PB Sim
Luiz Sérgio RJ Sim
Magela DF Sim
Márcio Macêdo SE Sim
Marcon RS Sim
Margarida Salomão MG Sim
Maria do Rosário RS Sim
Miriquinho Batista PA Sim
Newton Lima SP Sim
Nilmário Miranda MG Sim
Odair Cunha MG Sim
Padre João MG Sim
Padre Ton RO Sim
Paulão AL Sim
Paulo Pimenta RS Sim
Paulo Teixeira SP Sim
Pedro Eugênio PE Sim
Pepe Vargas RS Sim
Policarpo DF Sim
Reginaldo Lopes MG Sim
Renato Simões SP Sim
Rogério Carvalho SE Sim
Ronaldo Zulke RS Sim
Ságuas Moraes MT Sim
Sibá Machado AC Sim
Taumaturgo Lima AC Sim
Valmir Assunção BA Sim
Vander Loubet MS Sim
Vanderlei Siraque SP Sim
Vicente Candido SP Sim
Vicentinho SP Sim
Waldenor Pereira BA Sim
Weliton Prado MG Sim
Zé Geraldo PA Sim
Zeca Dirceu PR Sim

PTB
Alex Canziani PR Sim
Antonio Brito BA Sim
Arnon Bezerra CE Sim
Jorge Côrte Real PE Sim
José Chaves PE Sim
Jovair Arantes GO Sim
Luiz Carlos Busato RS Sim
Nelson Marquezelli SP Sim
Nilton Capixaba RO Sim
Paes Landim PI Sim
Sabino Castelo Branco AM Sim
Walney Rocha RJ Sim
Wilson Filho PB Sim

PTdoB
Lourival Mendes MA Sim

PV
Fábio Ramalho MG Sim
Paulo Wagner RN Sim

Solidariedade
Benjamin Maranhão PB Sim
Berinho Bantim RR Sim
Wladimir Costa PA Sim

terça-feira, 11 de novembro de 2014

Quem é mais rico? O Brasil ou os EUA ?

AMERICANO POBRE x BRASILEIRO RICO:

Carta recebida por Alexandre Garcia ( comentarista da rede Globo ) enviada por um amigo Americano. Segue a carta:
“ Caros amigos brasileiros e “ ricaços “ Vocês brasileiros pagam o dobro do que os americanos pagam pela água que consomem Embora tenham água doce disponível , aproximadamente 25% das reservas mundiais de água Doce está no Brasil. Vocês brasileiros pagam 60% a mais nas tarifas de telefone e eletricidade . Embora 95% da produção de energia em seu país seja hidroelétrica ( mais barata e não poluente ) . Enquanto nós, pobres americanos, somente podemos pagar pela energia altamente poluente, produzidas por usinas termoelétricas à base de carvão e petróleo e as perigosas usinas Nucleares. E por falar em petróleo…

Vocês brasileiros pagam o dobro pela gasolina, que ainda por cima é de má qualidade, que acabam com os motores dos carros, misturas para beneficiar os usineiros de álcool . Não dá para entender, seu país é quase auto-suficiente em produção de petróleo (75% é produzido aí) e ainda assim tem preços tão elevados. Aqui nos EUA nós defendemos com unhas e dentes o preço do combustível que está estabilizado a vários anos US$ 0,30 ou seja R$ 0,90 Obs: gasolina pura, sem mistura. E por falar em carro…

Vocês brasileiros pagam R$ 40 mil por um carro que nós nos EUA pagamos R$ 20 mil. Vocês dão de presente para seu governo R$ 20 mil para gastar não se sabe com que e nem aonde, já que os serviços públicos no Brasil são um lixo perto dos serviços prestados pelo setor público nos EUA. Na Flórida, caros brasileiros, nós somos muito pobres; o governo estadual cobra apenas 2% de imposto sobre o valor agregado (equivalente ao ICMS no Brasil) , e mais 4% de imposto federal , o que dá um total de 6%. No Brasil voces são muito ricos, já que afinal concordam em pagar 18% só de ICMS. E já que falamos de impostos…

Eu não entendo porque voces alegam serem pobres, se, afinal, voces não se importam em pagar, além desse absurdo em ICMS, mais PIS, CONFINS, CPMF,IPI, ISS, IPTU, TLP, ITBI, ITCM, IR, ITR, IPVA,DPVAT,CIDE e outras dezenas de impostos, taxas e contribuições, em geral com efeito cascata, de imposto sobre imposto, e ainda assim fazem festa em estádios de futebol e nas passarelas de Carnaval . Sinal de que não se incomodam com esses confiscos malignos que o governo promove, lhes tirando 5 meses e 20 dias por ano de seu suado trabalho. De acordo com estudos realizados, um brasileiro trabalha 5 meses e 20 dias por ano somente para pagar a carga tributária de impostos diretos e indiretos. Segue…

Nós americanos lembramos que somos extremamente pobres, tanto que o governo isenta de pagar imposto de renda todos que ganham menos de US$ 3 mil dólares por mês (equivalente a R$ 9.300,00), enquanto aí no Brasil os assalariados devem viver muito bem, pois pagam imposto de renda todos que ganham a partir de R$ 1.200,00. Além disso, voces tem desconto retido na fonte, ou seja, ainda antecipam o imposto para o governo, sem saber se vão ter renda até o final do ano. Aqui nos EUA nos declaramos o imposto de renda apenas no final do ano, e caso tenhamos tido renda, ai sim recolhemos o valor devido aos cofres públicos. Essa certeza nos bons resultados futuros torna o Brasil um país insuperável.

Aí no Brasil vocês pagam escolas e livros para seus filhos, porque afinal, devem nadar em dinheiro, e aqui nos EUA, nós, pobres de país americano, como não temos toda essa fortuna, mandamos nossos filhos para as excelentes escolas públicas com livros gratuitos. Vocês, ricaços do Brasil, quando tomam no banco um empréstimo pessoal, pagam POR MÊS o que nos pobres americanos pagamos POR ANO. E por falar em pagamentos…

Caro amigo brasileiro, quando você me contou que pagou R$ 2.500,00 pelo seguro de seu carro, ai sim eu confirmei a minha tese: vocês são podres de rico!!!!!!!! Nós nunca poderíamos pagar tudo isso por um simples seguro de automóvel. Por meu carro grande e luxuoso, eu pago US$ 345,00. Quando você me disse que também paga R$ 1.700,00 de IPVA pelo seu carro, não tive mais dúvidas. Nós pagamos apenas US$ 15,00 de licenciamento anual, não importando qual tipo de veiculo seja. Afinal, quem é rico e quem é pobre ? Aí no Brasil 20% da população economicamente ativa não trabalha. Aqui, não podemos nos dar ao luxo de sustentar além de 4% da população que esta desempregada. Não é mais rico quem pode sustentar mais gente que não trabalha ???

Comentários: Caro leitor, estou sem argumentos para contestar este ianque. Afinal, a moda nacional brasileira é a OSTENTAÇÃO. Cada vez mais vamos nos convencendo de que não é preciso ser, basta parecer ser. E, afinal, gastando muito, a gente aparenta ser rico. Realmente é difícil comparar esta grande nação chamada EUA que desde o seu descobrimento teve uma colonização de povoamento, com nosso país que foi colônia de exploração por mais de 300 anos, com nossas riquezas sendo enviadas para Portugal. E hoje ainda sofremos com essa exploração, só que dos próprios governantes que pilham e enviam nossas riquezas para suas contas bancárias em paraísos fiscais. E não fazemos nada para promover uma mudança radical de atitudes, conceitos e afirmação de nossa dignidade. Precisamos sair deste comodismo que estamos vivendo ou o sonho do País do futuro será apenas um ideal na boca dos demagogos que estão no poder.

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Discórdia

Podemos discordar das privatizações, mas não precisamos aceitar que a
roubalheira, o aparelhamento político e a incompetência tomem conta das nossas estatais.
Podemos admirar os programas sociais do PT, mas não precisamos aceitar um governo que mente descaradamente que seus adversários acabariam com eles em um óbvio terrorismo eleitoral.
Podemos não gostar dos EUA, mas não precisamos apoiar um governo que se alia às piores ditaduras do mundo e defende países terroristas.
Podemos não gostar da Globo ou da Veja, mas não precisamos de um governo que tenta controlar a imprensa.
Podemos não gostar do PSDB, mas não podemos aceitar um governo, que se dizia guardião da ética, viver mergulhado em escândalos diários, e se aliar e defender a escória da política nacional como Maluf, Collor, Renan, Jader Barbalho.
Podemos não gostar do Aécio, mas não podemos permitir que todas essas práticas sejam incentivadas, premiadas e perpetuadas.
Podemos querer outras alternativas, mas não podemos deixar no poder uma quadrilha cuja cúpula, mesmo presa na Papuda, é tratada como heróis e continua filiada ao partido!
Não podemos deixar que continuem a sambar na nossa cara, infiltrando membros no STF para livrar seus pares, comprando o legislativo com mesadas, sangrando nosso país em benefício próprio e de ditaduras e pseudodemocracias. Se fizermos isso será um atestado de que somos tão sem-vergonhas quanto eles, que NADA nos choca e tudo pode nessa terra porque não temos mais qualquer capacidade de indignação.
Se você não concorda com isso, é hora de mudar. Voto nulo, branco ou abstenção é o mesmo que endossar suas práticas.
É hora de união contra aqueles que tentam rachar o país, com um discurso irresponsável e preconceituoso e hipócrita de "nós" contra "eles", "pobres" contra "ricos", "negros"
contra "brancos", "povo" contra "elite branca"...
Ricos, pobres, mulatos, negros, brancos, sudeste, nordeste, centro-oeste, norte, sul, Aécio, Marina, Eduardo Jorge, não importa... Todos juntos contra a podridão desse grupo corrupto e incompetente. Formaremos uma Nação livre, solidária e com oportunidades reais de crescimento! FORA, Dilma!

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Raiva do PT e medo de perder o Bolsa Família marcam votações extremas


LUCAS SAMPAIO
ENVIADO ESPECIAL A SALTINHO (SP) JULIANA COISSI DE SÃO PAULO

07/10/2014 11h25
No Estado de São Paulo. Aêcio Neves (PSDB) teve quase o dobro dos_votos da presidente Dilma Rousseff (PT) Mas em Saltinho, município cercado por canaviais e a 173 km da capital, a proporção de quase sete votos ao tucano para cada um dado à petista chama a atenção
Foi lá onde a candidata á reeleição obteve o seu pior desempenho em todo o pais, com apenas 10.2% dos votos
"N3o tenho nada contra o PT, mas nada a favor. Na Dilma Rousseff não voto Está difícil conseguir emprego fixo." A declaração ê de Simone Pizzol, 40, mãe de dois filhos pequenos e com o marido desempregado há dez meses
"Votei no Aécio Neves porque ele prometeu bastante coisa. Vamos ver se ele vai cumprir", completa a diarista, que recebe R$ 229 mensais do Bolsa Família e paga RS 150 de aluguel e RS 50 de água e luz para morar em uma edicula nos fundos da casa do tio.
A crise no setor sucroalcooleiro, crítico ferrenho ao governo Dilma, ajuda a explicar a rejeição local à petisla.
"Ela não esta ajudando em nada os produtores rurais", diz Fátima Zatarin, 58. casada com um plantador de cana aposentado e que afirma já ter votado em Dilma e em Lula
Situação oposta vive a pernambucana Betânía, cidade a 2 704 km de Saltinho. Lá, Aêcio Neves quase n3o encontrou eleitores Só recebeu 1.51% dos votos no município de 12.4 mil habitantes, sua menor votação em todo o pais.
£m Betânia, 82% dos eleitores preferiram Dilma, caso da aposentada JúMa Izabei do Nascimento, 86 Para ela. o medo de que o Bolsa Família não tenha continuidade em um eventual governo de Aécio assustou os moradores Na cidade 69% da população recebe o Beneficio federal.
"Aqui é um buraco, uma cidade morta Quase todo mundo não tem renda e precisa do Bolsa Família", disse a aposentada A MAIS DILMISTA DE TODAS
Betânia é uma cidade "dilmista", mas Belágua, no Maranhão, é mais. No município de 7.191 habitantes. 92% dos eleitores votaram na petista, a maior votação proporcional da presidente em todo o país.
Belágua era considerada a mais pobre cidade do Brasil em 2011, quando Dilma assumiu. Quem não trabalha no serviço público depende necessariamente do Bolsa Família.
Cerca de 65% da população recebe o beneficio, como os pais de Josiane Santos, 18 Mae de Ana Clara. 2, ela pretende se inscrever no programa para também receber o próprio cartão do programa.
"Votei em Dilma e voto nela de novo no segundo turno, porque o beneficio [Bolsa Família] é tudo trabalho dela"
Paixão por Dilma no interior do Maranhão, ódio a ela no interior de Mato Grosso. "Se fosse escolhei entre Dilma e um cachorro, eu preferia votar num cachorro do que nessa mulher." A dona de casa Roberta Pereira Alves, 50. assim resume sua raiva pela atual presidente.
E ela não está só: a esmagadora maioria dos moradores de Alto Boa Vista, no norte mato-grossense, escolheu Aecio Neves (PSDB) no primeiro turno A cidade foi a que mais votou proporcionalmente no lucano em todo o país -83% dos votos
Roberta e o marido João Antônio da Silva dizem pertencer ao grupo de cerca de 7 000 pequenos produtores que foram forçados a sair de uma área, considerada indígena na atual gestão petista Eles dizem não ter recebido nenhuma indenização e que as famílias enfrentam dificuldade.
A renda de Alto Boa Vista, de 5.980 habitantes, depende do gado e do cultivo de soja.
O produtor rural Alaor Ferreira dos Santos. 50, atribuiu ao anti-petismo a vitória de Aécio na cidade. "Ninguém aqui vota nela [Dilma] É uma cidade de pessoas quê trabalham e ganham a vida com o suor do rosto, e não encostadas no Bolsa Família." O município possui 26% pessoas que dependem do programa
Para compartilhar esse conteúdo, por favor utilize o linhttp://www1.folha.uol.com.br/poder/2014/10/1528644-raiva-do-pt-e-medo-de-perder-o-bolsa-familia-marcam-votacoes-extremas.shtml ou as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos, artes e vídeos da Folha estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do jornal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização da Folhapress (pesquisa@folhapress.com.br). As regras têm como objetivo proteger o investimento que a Folha faz na qualidade de seu jornalismo. Se precisa copiar trecho de texto da Folha para uso privado, por favor logue-se como assinante ou cadastrado.Para compartilhar esse conteúdo, por favor utilize o link

sexta-feira, 3 de outubro de 2014

FAZENDO UMA ANÁLISE DA CONJUNTURA ATUAL, DIRIA QUE ISSO JÁ ESTA ACONTECENDO.

O DOCUMENTO ABAIXO FOI PRODUZIDO PELA ADESG (ASSOCIAÇÃO DOS DIPLOMADOS PELA ESG – ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA).
O DOCUMENTO RESUME DE FORMA CLARA O QUE ESTÁ ACONTECENDO NO BRASIL. CREIO SER UM DOS DOCUMENTOS MAIS COMPLETOS SOBRE O ASSUNTO E É, SIMPLESMENTE, ESTARRECEDOR!!!!!!
A PARTIR DESSE MOMENTO SUA MENTE IRÁ SE ABRIR E VOCÊ VAI ENTENDER TUDO O QUE ESTÁ ACONTECENDO.... E SEUS PORQUÊS..........E O PIOR:  ONDE IREMOS CHEGAR...!!!!!!!!!
Sílvio Carlos Guidolin
P.S.:    Interessem-se em saber O QUE É O  “FORO DE SÃO PAULO”.... ....E O QUE É DISCUTIDO LÁ.
=========== =====================================================================


Associação   dos     Diplomados     da     Escola     Superior     de    Guerra
Delegacia  do   Estado   de   Mato   Grosso   do   Sul
COR UNUN ET ANIMA UNA PRO BRASILIA
UM SÓ CORAÇÃO E UMA SÓ ALMA PELO BRASIL
NÚCLEO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS
GRAMSCI no BRASIL
AGRADECIMENTO
A todos que participaram dos estudos que culminaram no presente trabalho com a finalidade de “conhecer o Brasil para melhor servi-lo”.
PROPOSTA
Estimular o debate, reunindo e unindo todos em torno do bem-comum, colocado acima de interesses pessoais e de qualquer espécie de grupo, para a criação de um Projeto de Nação fundamentado no processo histórico-cultural brasileiro.
METODOLOGIA
Identificar ideias, atitudes, comportamentos e ações que estão em harmonia com o marxismo-gramscismo para, através da “via pacífica”, transformar o Brasil em uma República Socialista.
Antonio Gramsci  (1891-1937)
                Intelectual italiano e um dos fundadores do Partido Comunista Italiano (PCI) em 1921, percebeu que a implantação do comunismo nos países do Ocidente não deveria seguir o modelo russo (LENIN) do uso da violência para conquistar ou tomar o Estado, mas, sim, ao contrário, primeiro conquistar o Estado  e depois, então, a aplicação da violência para finalizar o processo.
                Nessa concepção, destaca-se o valor atribuído ao seu entendimento de Sociedade Civil como sendo o espaço social onde deve ocorrer a luta pela hegemonia, para que a classe subalterna passe a ser a Classe Dirigente.
                Um grupo social da classe dirigente, assumindo o controle da Sociedade Política (Estado), permite que o partido da Classe Dirigente seja posicionado acima do Estado.
                A manobra é simples, lenta e gradual.  Utiliza-se dos instrumentos legais e políticos da democracia para, de forma pacífica e sorrateira, minar e enfraquecer as principais trincheiras democráticas: Executivo, Legislativo, Judiciário, Forças Armadas, Religião e a Família.
                 Usando a propaganda subliminar, o populismo e a demagogia, as consciências são entorpecidas e é criada a sociedade massificada para a luta pela hegemonia.
                O envolvimento estratégico também é simples e eficaz, conduzindo o processo em três fases:
- na primeira, organiza o Partido das Classes Subalternas e luta pela ampliação das franquias democráticas para facilitar a ação política, explorando as deficiências e vulnerabilidades do governo;
- na segunda, luta pela hegemonia das classes subalternas, criando as condições para a tomada do poder;
- na terceira fase, toma o poder, impondo novos valores e princípios através de uma nova ordem.
                O “socialismo pacífico” é a etapa intermediária para o “socialismo marxista”, o marxismo-leninismo, o  comunismo...
                Preso em 1926, escreveu na prisão “Cadernos do Cárcere” contendo o seu pensamento sobre a tomada do poder de forma pacífica. Foi libertado pouco antes de morrer em 1937.
                O gramscismo contagiou países da Europa e, hoje, está transbordando na América do Sul.
A  PENETRAÇÃO  GRAMSCISTA NO BRASIL
FINALIDADE
Criar as melhores condições para transformar o Brasil em uma República Socialista sob a inspiração de Antônio Gramsci.
OBJETIVOS
1.      Obter a hegemonia na sociedade civil.
2.      Obter a hegemonia na sociedade política (Estado).
3.      Estabelecer o domínio do intelectual coletivo (Partido Classe).
4.      Silenciar os intelectuais independentes.
MÉTODO
Realizar a transformação intelectual e moral da sociedade pelo abandono de suas tradições, usos e costumes, mudando valores culturais de forma progressiva e contínua, introduzindo novos conceitos que, absorvidos pelas pessoas, criam o “senso comum modificado”, gerando uma consciência homogênea construída com sutileza e sem aparente conteúdo ideológico, buscando a identificação com os anseios e necessidades não atendidas pelo poder público.
       Assim é estabelecido o desejo de mudança em direção a um mundo novo, com a sociedade controlada através dos mecanismos de uma “democracia popular”, onde os pensadores livres, temendo o rótulo de retrógrados  ou alienados, se submetem a uma prisão sem grades, calando a voz da divergência existente dentro de si e se deixam, assim, vencer pelo “senso comum modificado”.  Este prossegue  intoxicando a sociedade, sob a  égide do Estado, usado para reduzir e suprimir a capacidade de reação individual e coletiva.
      Nesse momento, está construída a base para a “tomada do poder” e consequente implantação do Estado Socialista.
AÇÕES QUE TÊM ENFRAQUECIDO AS TRINCHEIRAS DA DEMOCRACIA NO BRASIL
I.   Nos  PARTIDOS POLÍTICOS
1.             Estimular o número elevado de partidos para enfraquecer a oposição e facilitar a tática de “ aliança”, favorecendo o “partido classe”.
2.        Manter a regionalização dos partidos; o controle por caciques ou oligarquias regionais afeta a unidade nacional, favorecendo o enfraquecimento dos partidos políticos de oposição e favorecendo o “partido classe”, que possui “unidade de comando”.
3.             Admitir a pluralidade de esquerda para ser bem explorada pelo “partido classe” por tempo determinado.
4.             Esvaziar as poucas lideranças da oposição através de patrulhamento e ataque (dossiê) direto ou indireto (parentes).
5.            Criar fatos novos para o esquecimento das mazelas de militantes do “partido classe” e aliados.
6.            Afastar ou mudar de cargo o militante com erro focado pela mídia de oposição, para a sua proteção e do “partido classe”.
7.           Usar a “mídia da situação” para silenciar as mazelas dos militantes do “partido classe”.
8.          Infiltrar militantes nos outros partidos para obter o seu controle e esvaziar os líderes de oposição, os neutros e os que não são adeptos do “partido classe”.
II.   No  EXECUTIVO
1.         Criar aparelhos governamentais de coerção.
2.      Distribuir cargos em  órgãos e empresas públicas para militantes do partido-classe e  seus aliados, em todos os níveis da administração (federal, estadual e municipal,  (aparelhar o Estado).
3.        Criar uma estrutura policial que possa ser transformada em Guarda Nacional ou Guarda Pessoal ou em Polícia Política (Polícia Federal,  Força Nacional) para emprego imediato, quando chegar o momento oportuno.
4.        Ampliar o “curral eleitoral” usando o assistencialismo como fim e não como meio, mantendo o benefício por tempo indeterminado.
5.          Manter o “curral eleitoral” através de um sistema de ensino, controlando o baixo nível de aprendizagem e desenvolvimento da inteligência.
6.         Silenciar a imprensa através de emprego da verba pública destinada à propaganda, mantendo a população  sem informação correta.
7.          Neutralizar políticos de oposição e aliados através de distribuição de dinheiro, cargo público ou qualquer outro tipo de benefício pessoal ou familiar.
8.             Criar ou fortalecer um organismo sul americano para diminuir a importância da OEA (EUA).
9.             Participar de um bloco  sul americano  de  repúblicas  socialistas  democráticas.
10.         Facilitar a penetração cultural e a projeção dos intelectuais orgânicos.
11.         Denegrir heróis nacionais.
12.         Enaltecer militantes da ideologia marxista.
13.         Desmerecer fatos e vultos marcantes da História Nacional.
14.         Impedir a tomada da Consciência Nacional.
15.         Entorpecer a Vontade Nacional.
16.         Eliminar valores do processo histórico-cultural nacional.
17.         Mudar usos e costumes.
18.         Enfraquecer o moral nacional.
19.         Mudar  traços  da identidade nacional.
20.         Mudar valores e princípios ético-morais.
21.         Enfraquecer a família.
22.         Enfraquecer a coesão-nacional.
23.         Lançar a discórdia no seio da população.
24.      Desviar o foco dos debates em torno de questões relevantes em áreas estratégicas (saúde, educação, segurança, defesa, etc), isentando o Governo de responsabilidade pelas deficiências e vulnerabilidades.
25.         Estabelecer um poder paralelo ao do Estado (Conselho de Política Externa, Comissão de Direitos Humanos, etc).
26.     Alimentar as ONGs com o dinheiro público e estimular outras para atuarem na sociedade civil, apoiando direta ou indiretamente a luta pela sua hegemonia.

III.    No  LEGISLATIVO
1.             Eleger militantes do Partido-Classe.
2.             Unir  temporariamente os partidos de mesma ideologia.
3.             Fazer alianças com partidos de ideologia oposta.
4.             Desmoralizar o Legislativo,  mantendo privilégios,  barganhas e a falta de espírito público.
5.             Criar leis para dar o respaldo  às mudanças de usos, costumes e valores da nacionalidade brasileira.
6.             Obter o controle do Legislativo para conquistar o domínio da sociedade política ( Estado), através do Partido-Classe.
7.             Enfraquecer o Legislativo como fiscal do Executivo.
8.         Submeter o Estado ao controle do Partido-Classe.
IV.    No  JUDICIÁRIO
1.             Retardar ou impedir a modernização da estrutura do judiciário.
2.             Retardar ou impedir o aperfeiçoamento do funcionamento do judiciário.
3.             Estimular o corporativismo extremado na magistratura.
4.             Manter o magistrado afastado do povo e das suas necessidades.
5.             Difundir na sociedade civil as ideias de parcialidade, ineficiência e improbidade do judiciário.
6.             Desacreditar o judiciário perante as classes subalternas, explorando a lentidão funcional e a corrupção e privilégios dos magistrados  como funcionários públicos .
7.             Aparelhar o judiciário com material humano de interesse.
V.    Nas  ESCOLAS
1.             Usar as universidades como refúgio ideológico.
2.             Buscar a hegemonia nos meios intelectuais.
3.             Construir nova massa de manobra, usando as universidades, a mídia e as editoras.
4.             Criar a geração revolucionária nas escolas do ensino médio.
5.             Usar professores da nova massa de manobra no ensino básico (fundamental e médio).
6.             Fortalecer o controle do sistema de ensino que não ensina a pensar, através do MEC.
7.             Apagar a memória do povo reescrevendo a história do Brasil para fatos e vultos nacionais relevantes.
8.      Mudar valores e princípios ético-morais (professores homossexuais no ensino médio e fundamental, alterando a estrutura familiar).
9.             Enfraquecer a vontade nacional.
10.         Transformar a consciência nacional em consciência do partido político.
11.         Controlar escolas e universidades particulares através de sindicatos e com uma reforma universitária.

VI.    Nas  FORÇAS ARMADAS
1.             Enfraquecer a união dos militares, afastando os militares da ativa dos militares inativos.
2.             Enfraquecer o “espírito de corpo”, separando os oficiais generais da tropa.
3.             Introduzir, a curto prazo, o uso de drogas entre os militares.

4.             Disseminar, a médio prazo, o homossexualismo entre os militares.
5.       Preparar, a longo prazo, as gerações de chefes militares que servirão ao governo, e não à pátria, modificando a grade curricular das escolas de formação.
6.             Enfraquecer a credibilidade e a confiança da população nas forças armadas.
7.             Desestimular profissionalmente os militares que servem à pátria e não ao governo.
8.             Criar o ambiente em que os oficiais terão apenas a visão da expressão militar e não de todo o poder nacional.
9.             Enfraquecer o “espírito combativo”, de fundamental importância no confronto bélico.

CONSIDERAÇÕES FINAIS
            O pensamento de Gramsci está sendo aplicado de forma dissimulada e protegida pelas franquias da democracia, tornando difícil a sua identificação.
            Conhecendo o  pensamento de Gramsci, as técnicas para a sua aplicação e com uma análise paciente e detalhada da conjuntura nacional, chega a ser surpreendente a infiltração do marxismo-gramscismo na sociedade brasileira.
            Encontrando Gramsci, a decisão sobre o quê e como fazer é do descobridor.
            Já é hora de deixarem de lutar por ideologias importadas, inadequadas às características do brasileiro, que atendem a interesses estrangeiros ao dificultarem o progresso do nosso país.

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

A Revolução Documental


Posted: 23 Sep 2014 03:12 AM PDT


“Em 9 de novembro de 1989 caiu o Muro de Berlim, mas ele continua em pé em muitas cabeças. No Leste e sobretudo no Ocidente, a crença continua viva. O luto do comunismo durará ainda por muitos anos e pesará sobre o trabalho dos historiadores que analisam o que foi o Estado-defunto” (O Livro Negro do Comunismo)

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos I. S. Azambuja

O colapso do sistema comunista provocou quase que instantaneamente uma revolução documental com a abertura dos arquivos e com a liberdade de palavra dada às testemunhas que, até então, acreditavam estar obrigadas ao ‘sigilo partidário’.

Durante quase três quartos de século, os únicos documentos dos quais dispunham os observadores do sistema comunista mundial eram somente as fontes públicas do comunismo – jornais, publicações oficiais, discursos dos líderes, literatura e cinema dirigidos -, bem como os relatos dos dissidentes e as fontes da polícia e dos serviços de informações, quando disponíveis. O trabalho era ainda dificultado pela mania de segredo própria de todos os partidos e regimes comunistas, o que significa dizer que os analistas do sistema comunista trabalhavam de modo semelhante aos paleontólogos que reconstituem a imagem de um dinossauro a partir de um fêmur ou de um maxilar. Hoje em dia, no entanto, os historiadores têm à sua disposição todo o esqueleto.

A despeito da penúria das fontes, todos fizeram o melhor que podiam, expondo-se à crítica permanente, irônica e hipócrita dos colegas comunistas e também aos desmentidos arrogantes dos apparatichiks, que consideravam: a responsabilidade soviética no massacre de Katyn –propaganda nazista; milhões de mortos na grande fome ucraniana de 1932-1933 - propaganda capitalista; as negociações entre Otto Abetz - general alemão, governador da cidade de Paris durante a ocupação nazista – e o PCF, de junho a agosto de 1949 – pura imaginação; a direção do PCF, posta de 1931 a 1939 sob a tutela de um judeu eslovaco chamado Clément, cujo verdadeiro nome era Eugen Fried – tolices; centenas de milhares de fuzilados pelo Grande Terror de 1937-1938 – afirmações anticomunistas primárias; a colocação sob vigilância de todos os cidadãos da RDA pela Stasi – calúnia dos revanchistas de Bonn. Essa litania poderia ser declinada indefinidamente.

Mas depois de 1991-1992, esses críticos se calaram. A cada dia, os documentos retirados dos arquivos dos países do Leste Europeu vêm aniquilando todas essas denegações, trazendo luzes inéditas para a tragédia do comunismo.

Annie Kriegel, uma intelectual comunista francesa que nos anos 70 abandonou o partido, falecida em 1995, após examinar os arquivos de 1991 a 1994, tinha o ponto de vista de que, para muitos, o que nos traz a abertura dos arquivos é, em primeiro lugar, a possibilidade de verificar, de controlar e de reunir provas que confirmem, aprimorem ou desmintam nossas análises e conclusões passadas.

Assim, ela retorna à sua própria conceituação de sistema comunista mundial para corrigir seu aspecto estático: por um lado, o sistema abriga, de maneira articulada e cada vez mais interativa e orgânica, um Estado (e, mais tarde, uma comunidade de Estados) e, por outro lado, um movimento. Isso significa dizer que são igualmente falsas tanto a tentativa de fazer do movimento apenas um apêndice do Estado ou de seus interesses, quanto a de fazer do Estado somente uma referência longínqua do movimento.

O certo é que desde 1993 os historiadores já se viam confrontados com uma revolução documental que fundava uma nova história do comunismo, na qual cada evento e cada figura histórica deviam ser revistos sob a luz dos arquivos (1). Essa história baseia-se numa revolução da prova documental: a materialidade de inúmeros fatos históricos é, a partir de então, estabelecida sem contestação possível, pondo um ponto final, dessa maneira, nas intermináveis polêmicas que se multiplicaram nos 70 anos de história do comunismo. Todavia, nem todos os fatos são conhecidos, mas aqueles que o são foram estabelecidos com um grau de exatidão aceitável.

Assim, a partir de 1991 e graças à revolução documental, os segredos mais bem guardados do comunismo foram revelados. O protocolo secreto adicional ao Pacto Germano-Soviético de 23 de agosto de 1939, cuja existência era negada havia meio século, foi tornado público. Encontrou-se até mesmo o mapa no qual os compadres nazistas e soviéticos tinham demarcado a partilha do Leste Europeu, com a rubrica triunfal de Stalin ornando sua parte oriental. A ordem de 5 de março de 1940 determinando o assassinato de 25.700 oficiais e dirigentes poloneses, assinada pelo conjunto dos membros do Politburo soviético, foi retirada em 1992 de seu envelope timbrado e transmitida por Boris Yeltsin a Lech Walesa.

Os dossiês elaborados em Moscou sobre os dirigentes comunistas em todo o mundo, índice do controle político e policial que Stalin sempre exerceu sobre o conjunto do Komintern, passaram a ser acessíveis em Moscou, e os escritos mais homicidas de Lenin, ocultados por tantas décadas, apareceram. A partir de 1994, surgiram inúmeras publicações que utilizaram os arquivos de Moscou, de Praga e de outros países comunistas. As obras sobre a URSS se multiplicaram, especialmente na França, Rússia, EUA e Alemanha.

E com o presumido fim da guerra fria, alguns países ocidentais também abriram certos arquivos. Os EUA divulgaram os documentos Venona, retirados da decodificação das mensagens de rádio dos serviços secretos soviéticos durante a guerra (2), o que possibilitou uma melhor compreensão de vários episódios obscuros, como o caso Rosenberg.

A abertura dos arquivos – com maior ou menor grau de generosidade – foi acompanhada pela liberação de palavra concedida a certo número de atores e de testemunhas, de vítimas ou de carrascos, obrigados a manter o sigilo partidário ou silenciados por ameaças.

O próprio funcionamento do sistema comunista, na URSS, no interior do Komintern, dentro dos partidos comunistas, o papel preciso dos diversos atores, tudo que, por tantas décadas, tinha sido mantido sob ‘sigilo partidário’, enfim, a face imersa do iceberg – ou, como chamam outros autores, ‘a face oculta da lua’ – começou a aparecer. Os locais, as modalidades e os canais de transmissão das decisões, todos esses dados elementares, bem conhecidos para todos os outros sistemas políticos e, até o momento, misteriosos no que dizia respeito ao comunismo, tornaram-se parcialmente disponíveis. Esses dados permitiram o aprimoramento do foco sobre o tema e que um novo quadro, bem mais verídico e muito menos contestável, fosse estabelecido.

Muitos julgaram conveniente desdenhar. Afinal eram arquivos policiais, arquivos falsificados, etc. Ora, esses desiludidos dos arquivos evitaram, na maior parte das vezes, a consulta a esses documentos e, quando o fizeram, retiveram apenas os aspectos mais anódinos. É certo que a abertura dos arquivos conheceu suas vicissitudes: na Rússia, alguns se fecharam rapidamente e outros, mais importantes, ainda não foram abertos.

Na Bulgária e na Romênia, dez anos após a mudança de regime, o acesso aos arquivos permanece difícil. Na ex-Iugoslávia, em Belgrado, o acesso aos arquivos de Tito acabam de ser permitidos, mas permanecem totalmente fechados na Coréia do Norte, no Vietnã, em Cuba e na China. A despeito desses obstáculos, a história do comunismo está caminhando.

O momento mais intenso e mais inesperado dessa primeira reavaliação histórica do comunismo, provocada pela conjunção da mudança no ambiente intelectual e pela revolução documental foi, sem dúvida, a publicação na França do Livro Negro do Comunismo, em 7 de novembro de 1997, exatos 80 anos depois da Revolução de Outubro (publicado no Brasil em 1999). Essa obra foi concebida para demonstrar uma das dimensões do comunismo: a dimensão criminosa. Apenas no que diz respeito ao assassinato de pessoas, os autores se ligaram a três fenômenos principais.

Em primeiro lugar, os assassinatos diretos. Dos anos pré-revolucionários na Rússia e da fase inicial do comunismo, até a morte de Lênin. No decorrer dos dias e semanas que se seguiram ao Golpe de Estado bolchevique, no qual grande quantidade de pessoas – malfeitores libertados das prisões, soldados desertores, o populacho – seguiu o slogan de Lênin – ‘afanar os afanadores’ – e praticou uma violência selvagem contras os ‘burgueses’, roubando, pilhando, violentando e matando sem qualquer ponderação.

Depois, nos cinco anos seguintes, nos quais os bolcheviques, em nome de sua ideologia, da pretensa legitimidade da sua visão histórica, da vontade de conservar o Poder a todo custo, praticaram um terror de massa sistemático contra seus inimigos reais ou supostos: o massacre dos‘brancos’, na maior parte burgueses, comerciantes, membros da intelligentsia, oficiais, sacerdotes, camponeses, operários assassinados em massa pelo Exército Vermelho e pela Cheka entre 1918 e 1921 – sem esquecer da primeira experimentação de genocídio de classe contra os cossacos do Don em 1919-1920. E depois, as 690 mil vítimas do Grande Terror de Stalin em 1937-1938, cuja lista exaustiva ainda está sendo estabelecida pela associação russa Memorial. E depois... e depois...

Em segundo lugar, o fenômeno examinado foi o dos campos de concentração estabelecidos a partir do verão de 1918 por Lênin e por Trotsky. Depois de terem servido de locais de extermínio para inimigos políticos, esses campos se tornaram, a partir de 1928-1929, um sistema generalizado de exploração de trabalho forçado, Gulag, que se estendeu progressivamente à totalidade dos países comunistas.

Esses campos eram alimentados por gigantescas deportações em massa: dezenas de milhões de homens, mulheres e até mesmo crianças, dos kulaks da coletivização soviética às populações conquistadas por Stalin de 1939-1941 (poloneses, estonianos, lituanos, letões e bessarábios), dos prisioneiros civis e militares de 1944-1945 (ainda poloneses, húngaros, romenos, alemães, coreanos e japoneses) aos ex-prisioneiros de guerra soviéticos pervertidos por sua visão do Ocidente, dos trabalhadores forçados do canal do Danúbio romeno às vítimas da lavagem cerebral do laogai chinês, dos campos norte-vietnamitas às cidades transformadas em campos de concentração dos khmers vermelhos.

Em todos os casos, as condições de trabalho, de alimentação, de alojamentos de saúde eram destinadas a rentabilizar ao máximo a força de trabalho do detento até o esgotamento total. Exceto qualquer compromisso feito com os carrascos, somente a sorte permitia salvar a própria pele.

O terceiro fenômeno recenseado pelo Livro Negro do Comunismo foi o da fome, em alguns casos provocada pelo voluntarismo ideológico e pela incompetência do regime. Assim, a fome soviética de 1921-1923 que provocou a morte de cerca de cinco milhões de pessoas deveu-se à decisão do Politburo de avaliar a colheita em mais de um terço do que fora previsto por seus próprios estatísticos, ordenando requisições proporcionais a esse cálculo, o que levou os camponeses à morte. Morte por fome!

No caso dos alemães do Volga, instalados na Rússia desde o século XVIII, as requisições de trigo destinadas a alimentar o partido e o Exército Vermelho – quando os alemães já estavam à beira da penúria alimentar – provocaram a morte de pelo menos 100 mil pessoas – morte por fome! - numa comunidade de cerca de 450 mil, e nas condições mais assustadoras, inclusive antropofagia. A fome chinesa de 1959-1961, provocada pelas aberrações do ‘Grande Salto pra Frente’, obedeceu às mesmas causas.

Outras fontes foram deliberadamente suscitadas pelo poder comunista: Pol Pot provocou assim a morte de 800 mil cambojanos. Stalin organizou a fome ucraniana de 1932-1933 para exterminar a elite social e para sujeitar um campesinato e uma nação rebeldes.

Dois jornalistas ucranianos, Lydia Kovalenko e Volodymyr Maniak, decidiram estabelecer um Livro-Memorial da Fome e lançaram um apelo por testemunhas para que os últimos sobreviventes contassem suas histórias. Mais de seis mil respostas chegaram até eles e 450 das mais significativas foram reunidas e uma seleção desses relatos foi publicada na França. Os testemunhos publicados traçam um quadro apocalíptico dessa guerra de extermínio contra a fração mais dinâmica e mais independente do campesinato, recordando que naquela época 80% dos ucranianos eram camponeses.

Essa evidência mais do que clara da utilização sistemática da fome como arma pelos poderes comunistas remete à visão que Lênin mantinha da sociedade comunista na qual toda a produção e toda a distribuição deviam estar nas mãos do Poder, único habilitado a fornecer alimento, alojamento, aquecimento e saúde aos ‘kamaradas’ e àquela parte da população considerada como ‘politicamente correta’.

Um paradoxo espetacular: a fome, utilizada como método de controle, de repressão e de extermínio das populações recalcitrantes e dos camponeses, aqueles que produzem os alimentos. Todos levados a morrer de fome pelo poder soviético preocupado com uma utopia igualitária.

O texto acima é um resumo da matéria em epígrafe, publicada nas páginas 31 a 41 do livro Cortar o Mal pela Raiz! História e Memória do Comunismo na Europa, diversos autores sob a direção de Stéphane Courtois, editora Bertrand do Brasil, 2006.
(1) Stéphane Courtois, Arquivos do Comunismo: Morte de uma Memória, Nascimento de uma História. Artigoem Le Débat, novembro-dezembro de 1993.
(2) Thierry Wolton, O Grande Recrutamento, Paris, Gasset, 1993.


Carlos I. S. Azambuja é Historiador.

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

PERSPECTIVAS DANTESCAS PARA O RIO DE JANEIRO


Economista Marcos Coimbra

Professor, Membro do Conselho Diretor do CEBRES, Titular da Academia Brasileira de Defesa e Autor do livro Brasil Soberano.
         Desta vez, a situação ficou fora de controle. Se há dúvida quanto ao candidato a ser votado no tocante à eleição presidencial, imagine no relativo ao pleito estadual no Estado do Rio de Janeiro. Nenhum dos candidatos postulantes ao cargo, em especial os quatro principais, é merecedor da confiança do sofrido eleitor fluminense.
         Em São Paulo, a qualidade dos candidatos, independentemente de filiação partidária, é bem melhor, oferecendo aos eleitores escolha satisfatória. No Rio, vamos ter que continuar a votar no menos pior, conscientes de que a opção pela abstenção, pelo voto nulo ou em branco vai contribuir para o agravamento da nossa situação.
         O candidato da situação é um fiel representante do ex-governador Cabral e dos componentes de seu grupo, no qual se destaca o ex-dono da Delta, Fernando Cavendish, que apareceram em uma festa em Paris com guardanapos em forma de “bandanas” na cabeça. É o candidato possuidor dos maiores recursos para a campanha e é apoiado pelo alcaide do município do Rio de Janeiro, fato que já o torna desmerecedor do voto do eleitor consciente e bem informado. Representa a continuação da administração abaixo da crítica exercida por seu partido. A notícia alvissareira foi a desistência do Sr. Cabral em concorrer nestas eleições, esperando que seja definitiva, a exemplo das excelentes novas do afastamento da vida pública do senador José Sarney e da governadora Roseana, sua filha. É oportuno lembrar que tanto Cabral quanto Roseana, “por coincidência”, ambos estão na lista divulgada pelo Sr. Paulo Roberto Costa em sua delação premiada, apontados como beneficiários do esquema de corrupção na Petrobras. É impossível votar neste candidato.
         O candidato petista senador Lindbergh responde a 15 inquéritos e a uma ação penal no Supremo Tribunal Federal, segundo o site Congresso em Foco. Em junho, o ministro Gilmar Mendes, autorizou a quebra de sigilos fiscal e bancário de servidores, empresários e pessoas ligadas aos contratos firmados entre Nova Iguaçu e a empresa Rumo Novo Engenharia Ltda., no período em que Lindbergh foi prefeito da cidade. Mendes decidiu em favor de um pedido do Procurador-Geral da República, Roberto Gurgel, que leva adiante um inquérito instaurado no Ministério Público do Estado do Rio para apurar irregularidades em licitações e execuções de obras em Nova Iguaçu.
No mesmo mês, o ministro Dias Toffoli, autorizou a quebra dos sigilos bancário e fiscal de Lindbergh entre janeiro de 2005 e dezembro de 2010. A abertura dos dados é parte de inquérito no qual o parlamentar é investigado por supostas fraudes ao Fundo de Previdência dos Servidores Municipais de Nova Iguaçu. O prejuízo é estimado em R$ 356 milhões. Em abril, no entanto, antes de ser acusado no inquérito que investiga o rombo milionário do dinheiro dos aposentados da prefeitura, Lindbergh Farias foi alvo de mais uma ação. O processo por improbidade administrativa - o 13º movido contra ele pelo Ministério Público do Rio de Janeiro - acusa o senador de usar dinheiro da prefeitura de Nova Iguaçu para pagar as despesas de um “showmício” petista.
O deputado federal Garotinho em abril de 2000, quando era governador do RJ, enfrentou uma enxurrada de denúncias que atingiam o alto escalão de seu governo. Boa parte das acusações recaía sobre os integrantes da chamada Turma do Chuvisco, assessores que acompanhavam o governador desde Campos, sua cidade natal e base política. O grupo, cujo nome faz referência a um doce típico de Campos, era acusado de favorecer empresas em concorrências públicas e firmar contratos sem licitação. Com o passar dos anos, Garotinho acrescentou denúncias cada vez mais graves ao currículo e acabou na mira da Polícia Federal.
A Operação Segurança Pública S.A., de 2008, resultou em seu indiciamento por quadrilha armada, sob a suspeita de ter usado seu período no Palácio Guanabara (e também o de sua mulher, Rosinha) para acobertar as ações de um grupo de policiais que, encastelados na chefia da Polícia Civil, atormentou o Rio de Janeiro cometendo ilícitos variados. A lista inclui facilitação de contrabando, formação de quadrilha, proteção a contraventores, cobrança para nomeação de delegados, lavagem de dinheiro, corrupção ativa e passiva. E ainda existe a denúncia da ÉPOCA de desvio de dinheiro público, envolvendo a GAP Comércio e Serviços Especiais, uma locadora de veículos próxima à família Garotinho. A sigla GAP reproduz as iniciais de seu dono, o empresário George Augusto Pereira. Documentos obtidos por ÉPOCA mostram que George Augusto não existe no mundo das pessoas de carne e osso.
O bispo licenciado da Igreja Universal Crivella, sobrinho do bispo Edir Macedo, lançou o projeto de irrigação da Igreja Universal do Reino de Deus no chamado “Polígono das Secas”, através da ONG Fazenda Nova Canaã, tendo lançado um CD que vendeu mais de um milhão de cópias. O lucro foi investido na compra de 450 hectares de terras em Irecê (BA) em 1999. Quando empossado como ministro da Pesca, ele foi acusado de usar a estrutura do próprio ministério para ajudar a sua ONG para entrar no mercado da carne de tilápia na Bahia. A revista ISTOÉ publicou uma matéria para mostrar que haveria “uma inequívoca utilização do cargo público em benefício pessoal”.
E agora, José? A esperança reside em uma inspiração divina.
Correio eletrônico: mcoimbra@antares.com.br
Página: www.brasilsoberano.com.br (Artigo de 16.09.14-MM).

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Estatuto Trilhos do Rio (ONG)

Olá, pessoal !
No próximo dia 12 de setembro o nosso fórum de debates (www.trilhosdorio.com.br/forum), base de criação e fortalecimento do nosso grupo, completará 3 anos de existência ! De lá pra cá diversas conquistas e realizações foram conseguidas, mas ainda temos um caminho extenso pela frente, talvez até agora tenhamos percorrido nem 1% do que pode ser percorrido ainda.
Visando a evolução e fortalecimento do nosso grupo, nosso próximo passo será formalizar o grupo. Deixar de ser virtual para nos tornarmos uma realidade, apesar de já sermos em diversos aspectos. Entretanto, com a formalização do grupo, poderemos ser mais atuantes no meio ferroviário, em todos os tempos: passado, presente e projetos futuros dos transportes sobre trilhos no estado do Rio de Janeiro.
Para isso, um dos caminhos naturais é tornarmos o grupo uma ONG (Organização Não Governamental). Formalizando o grupo, um imenso leque de oportunidades se abre, com inúmeras opções de atividades. E o melhor é que poderemos obter recursos para a realizações destas atividades, através de doações de empresas ou do próprio governo.
Temos visto ultimamente várias polêmicas e atividades ilegais envolvendo este tipo de organização, desde o desvio de doações recebidas até lavagem de dinheiro de políticos ou empresários. Muita calma nessa hora ... temos total convicção das irregularidades dessas atividades que deturpam a nobreza das ações que toda ONG deveria realizar, e queremos e faremos que isso NUNCA contamine nossa equipe.
Para isso, junto com a importantíssima contribuição do amigo Carlos Assis, muito experiente nesse assunto e nos meandros da documentação necessária para a formação de uma ONG, montamos um esboço de Estatuto Associativo, um documento que possui as instruções gerais de formação, coordenação e atuação da ONG, em vários âmbitos. Este documento segue em anexo, em formato .DOC  e gostaria de que debatêssemos sobre os diversos artigos contidos neste documento. Após a leitura (são 20 páginas, um pouco de burocracia, mas vale a pena ler), poderemos debater respondendo a este e-mail, acessando o link abaixo, no fórum de debates:
http://www.trilhosdorio.com.br/forum/viewforum.php?f=230 ou então através do grupo no Facebook (https://www.facebook.com/groups/trilhosdorio/) ou ainda pelo aplicativo TELEGRAM, uma plataforma segura que pode ser utilizada em Smartphones e computadores simultaneamente e que poderá tornar-se o meio de comunicação oficial do grupo. Para quem já usa o Whatsapp, nada muda, os aplicativos são idênticos. Tudo isso será passado em detalhes a todos em breve.
Para isso, gostaria que todos participassem da criação deste estatuto, dando opiniões e sugestões, apontando erros e entrando com novas idéias para que brevemente possamos figurar mais do que um conhecido fórum de debates e pesquisas, mas uma instituição respeitada e mais ainda conhecida do que já somos hoje. E além disso, para que possamos ser uma referência na matéria "Transporte sobre trilhos" no estado !
Enfim, é isso. Peço por favor que leiam o estatuto em anexo, ou através dos links acima (fórum ou Facebook), e opinem. Sua mensagem com certeza será muito importante.
Nos falamos em breve.

Atenciosamente,
Eduardo P.Moreira
“DadoDJ”
Administrador Trilhos do Rio

O que realmente mudou?

Documento especial de 1990, sobre o surfe ferroviário. Várias imagens sobre a miséria que é o subúrbio do rio fde janeiro, hoje são poucos os surfistas, mas o que mudou realmente?